E se sua filha fosse puta?

Postado por: ozueira Gamer

imagemMuito se discute sobre a orientação sexual de um filho gay, mas como seria se o foco do problema fosse uma filha libertina?


Novos tempos, caro leitor. Não cuspa para cima, porque pode cair na testa. Muito se discute sobre a orientação sexual do filho homem. "E se meu filho fosse gay, o que eu faria com ele?" Será que a pergunta é essa? E se seu filho não fosse feliz, como você se sentiria? 

Em tempos de revolução comportamental e uma era onde a sexualidade das pessoas não pode e não deve ser relacionada ao  caráter, como agir se o problema, ao invés do filho homem, fosse a filha mulher? O que um pai pode fazer se sua "menina dos olhos", aquela que cresceu uma criança meiga e estudou nas melhores escolas, resolver ter um estilo de vida condenado pelos padrões morais da sociedade e se tornar uma puta, independente de transar por dinheiro ou por libertinagem.

De que maneira o ego do pai que a educou corretamente pode ser ferido com essa conduta transviada da filha? Será que a pergunta "onde foi que eu errei" pode ser aplicada aqui também? O ser humano é único e cada um escolhe para si o estilo de vida. O "erro" não é dos pais, e o problema não pode ser resolvido como se fosse uma questão lógica de matemática. Entenda nos itens abaixo porque nunca é possível ter o controle da vida dos filhos.

As prováveis consequências
O preconceito e o julgamento da sociedade talvez sejam as maiores preocupações de um pai em relação a uma filha que resolveu não se importar com o que a sociedade pensa dela embaixo dos lençóis. Em um mundo onde a imagem vale muito, é inevitável que o pai sofra uma pressão. A complexidade da situação, a opinião dos amigos e dos parentes e a reputação familiar faz com que todos se sintam em uma posição extremamente desconfortável.

"Isso nunca aconteceria comigo..."
Talvez seja a primeira reação de muitos homens quando são questionados sobre essa possibilidade. Embora esse seja o tipo de acontecimento que não escolhe classe social, grau de escolaridade ou estrutura familiar, grande parte dos homens evita até mesmo imaginar a ideia de ter uma filha puta. Segundo psicólogos, pensar que essa probabilidade seja baixa ou inexistente é uma maneira de se ver longe da situação, buscando meios de anular esta hipótese. Esses homens podem apresentar muita resistência e têm maiores dificuldades de aceitação do fato.

"Coloco para fora de casa!"
O medo do julgamento alheio coloca muitos homens em um paradoxo de falso moralismo: alguns dos mesmos pais que repudiam esse modo de vida ao pensar nessa possibilidade com a própria filha usufruem e utilizam os serviços sexuais das profissionais do sexo. Deixar de dar a filha o conforto do abrigo não vai mudar nada, além de piorar a questão, pois se debaixo dos seus olhos ela já sai do esquema, imagina longe...

"Aonde foi que eu errei?"
Mais importante do que enxergar a situação como um erro é fazer uma reflexão: até que ponto os pais podem influenciar e projetar os passos seguidos pelos filhos? É possível ter o total controle da vida dos filhos como meio de evitar que isso ocorra? Trata-se de um ato de rebeldia? É um reflexo da educação dada pelos pais? É o resultado do excesso de rigor durante a criação? É o fruto da falta de atenção ou de cuidados na infância? É a influência do círculo social, das más amizades ou da mídia? Ou devemos aceitar que isso seja um desejo e uma escolha de alguém que gosta do que faz?

Liberdade x libertinagem
Falta de oportunidades, baixa instrução e depravação podem ser fatores considerados capazes de levar uma pessoa a optar por um caminho cruel e sofrido como o da prostituição, assim como escolher NÃO ter um relacionamento convencional como a monogamia. Muitas pessoas questionam se as mulheres que entraram nesse mundo obscuro o fizeram por desespero ou por imoralidade. Daí cada um sabe de si e você é você, mas sua filha tem a personalidade dela. Não espere dos outros, mesmo dos laços sanguíneos, uma total adequação aos seus valores.

Comentários:

0 comentários:

Postar um comentário